Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros

 

 
Lugar por excelência para observação e estudo dos fenómenos cársicos em Portugal. Esta Área Protegida, assemelha-se a uma imensa oficina de pedra povoada das mais estranhas peças – lapiás, dolinas, grutas, algares… um mundo em que as águas ora se perdem ora se encontram, e onde o homem acrescentou outros contornos, como desse desenhar feito de muros de pedra que enriquece a paisagem. No seu interior, a principal atividade humana anda em torno das indústrias de extração da pedra, do têxtil e dos curtumes.
 
In Percursos, Paisagens & Habitats de Portugal, 2000, Assírio & Alvim
 

Alguns pontos de visita obrigatórios:

 

Salinas de Rio Maior(Rio Maior)

 
O conjunto apresenta-se como uma minúscula aldeia de ruas de pedra e casas de madeira, junto à qual se destacam uns curiosos tanques de formas e dimensões irregulares, que a partir da Primavera se enchem de água salgada dando origem a pequenas pirâmides de sal.
 

Jazida da Pedreira do Galinha(Ourém/ Torres Novas)

 
Esta jazida do Jurassico médio, data de há cerca de 175 milhões de anos, contém não só o mais antigo e mais longo registo mundial de pegadas de saurópodes, como também, testemunhos excecionalmente conservados de alguns dos maiores animais terrestres jamais existentes. Integradas no monumento Natural das Pegadas de Dinossáurio da Serra d’Aire-Bairro, são visitáveis através do seu Centro de Interpretação.
 

Polje de Mira-Minde(Porto de Mós)

 
Os poljes, depressões fechadas de apreciável dimensão. Inundado durante três a quatro meses, em anos de pluviosidade normal, forma um grande lago de uma beleza impar. No restante período do ano, nele se cultivam milho e batata a par de numerosas culturas hortícolas.
 

Costa de Aivados(Porto de Mós)

Onde se destaca a Fórnea, com cerca de 500m de diâmetro e 250m de altura, grande anfiteatro natural resultante da erosão cársica ao qual se associa a nascente da cova da velha. Presença frequente de avifauna associada a zonas rochosas, com destaque para a Gralha-de-bico-vermelho, o Peneireiro-de-dorso-malhado e o Chasco-branco.
 
 

Centro de Interpretação Subterrâneo do Algar do Pena

 
Descoberta em 1985, este algar oferece uma magnífica paisagem subterrânea que inclui a maior sala deste tipo conhecida em Portugal (1400m2 com um desnível de 40 m) e albergando uma magnífica paisagem subterrânea recheada de temas espeleológicos. A cavidade é possível ser visitada.
 
In Percursos, Paisagens & Habitats de Portugal, 2000, Assírio & Alvim